Quinta-feira, 13 de Março de 2008

Ontem abri ao acaso o "Diário" de Miguel Torga , volume XVI, o último que o grande escritor e poeta escreveu e deparo-me com o seguinte texto, que pela sua actualidade, transcrevo com a devida vénia:
"Coimbra, 13 de Maio de 1990 - A imprensa, a rádio e a televisão dão-me às portas da morte.O telefone não para de tocar. Os jornalistas, cruéis, teimam, insistem,  não desanimam. Querem, sadicamente saber pormenores. Se morro se não morro. E vão adiantando diagnósticos.Enfarte, hemorragia cerebral, paralisia. Neste mundo desapiedado não há mais lugar para o sofrimento íntimo, recolhido, que os bichos ainda podem sentir na toca. Agora já ningúem é dono de si e do seu pudor. Somos públicos e baldios.À hora menos pensada, por artes do  primeiro bisbilhoteiro profissional que nos sai ao caminho, perdemos toda a densidade humana e ficamos espectrais e sem duração na leviana fugaciade de uma notícia"

Actualíssimo e profundamente real.

Eça de Queirós disse .- "Sobre a  nudez forte da verdade - o manto diáfano da fantasia". Aqui é caso para dizer A nudez forte da verdade sem o manto dáfano da fantasia.

 

José Mestre -Entradas

 

O post devia ter uma fotografis de Torga. Não o fiz para não infrigir, eventualmenteas leis do Copyright



publicado por JoseGMestre às 12:43
mais sobre mim
Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO